Futebol, um joystick de supresas

Os leitores desta joça sabem que eu gosto de futebol. Ok, virão piadinhas do tipo “gosta de futebol e torce pro Corinthians?”, e tal. Sério, enfiem um sorvete na testa, porque essa piada é ruim até para mim.

Mas enfim, gosto de futebol. Me pego vendo América e Ponte Preta pela Segundona assim, do nada. É, eu sei, mais piadinhas ruins como “fica vendo América e Ponte esperando o jogo do Corinthians na Segundona” virão. Segundo sorvete na testa, por favor.

E claro, gosto de tudo ligado ao futebol. Camisas, histórias, livros, filmes, Corinthians e, principalmente, jogos de videogame. Se você soltar um “gosta de futebol de videogame porque é o único lugar onde o Corinthians pode ganhar uma Libertadores”, eu vou pedir, encarecidamente, que enfie um controle de Nintendo 64 no cu. E não esqueça do Rumble Pack, ok?

Comecei a jogar bola pelos consoles com o clássico World Cup Soccer Italia 90, do Mega Drive. Para quem não ligou o nome a pessoa, era aquele jogo onde os atletas pareciam pombos. Sim, aqueles ratos com asas que cagam na cabeça alheia.

É um pássaro? É um avião? Não, é gooooooooooool!

É um pássaro? É um avião? Não, é gooooooooooool!

O jogo era ruim, tinha uma jogabilidade terrível e em nada lembrava futebol, exceto pela bola. Se bem que ele tinha uma sacada sensacional: quando você dava um bicão para o alto, a bola vinha em um efeito 3-D (forcei) ficando maior conforme a altura. Era lindo isso.

Depois dessa, conheci o herói de todos os artilheiros de videogame. Em uma época a qual não tínhamos Henry, Messi ou Ronaldinho nos jogos de videogame, o mito Janco Tianno – atacante da seleção brasileira no Fifa 95 – fazia o papel dos três. Se houvesse um Pelé na história do futebol de consoles, Tianno seria esse cara.

Tianno comemora o gol 12 mil. Anos mais tarde, o soco no ar seria imitado por Pelé.

Tianno comemora o gol 12 mil. Anos mais tarde, o soco no ar seria imitado por Pelé.

Outros futebóis [/Jardel] surgiram até aquele que é o melhor de todos os tempos: International Superstar Soccer DELUXE! (caps e exclamação para dar a sensação de emoção da apresentação do jogo). Porra, tinha chapéu, chapéu mexicano e era perfeito. A jogabilidade era única e as mentiras eram muito, mas muito menores que a série Fifa. Sem contar que, se Tianno era o Pelé, Allejo, atacante do Brasil, era o Maradona.

"Se o Allejo não tivesse nascido craque, teria nascido joystick" - Armando Nogueira

"Se o Allejo não tivesse nascido jogador, teria nascido joystick" - Armando Nogueira

Tudo isso é para dizer que sábado participarei de um campeonato de Winning Eleven com mais 31 blogueiros nerds. Mentira, tudo isso é para dizer que eu e o Eric participaremos de um campeonato de Winning Eleven no sábado. Ok, minto de novo. Tudo isso é para dizer que pelo menos uma partida eu ganho. Afinal de contas o placar do Pacaembu mostra que o número de vitórias neste embate épico é:

Eric 5 x 247 Júlio

E não bastasse isso, vou como leitor do Melhores do Mundo, o site nerd mais safado das Terras Infinitas e além. Merda, eu vou tietar, certeza.

PS: Se eu jogar com o Barcelona, tenho chance de ganhar mais duas partidas. Porque quem tem Messi não precisa de Edmundo.

Puta que o pariu, é o melhor mongol da Argentina, é o Messi!

Puta que o pariu, é o melhor mongol da Argentina, é o Messi!

O Messi tem cara de bobo até no videogame, impressionante.

Anúncios

8 pensamentos sobre “Futebol, um joystick de supresas

  1. Pedro disse:

    “Se Tianno era o Pelé, Allejo, atacante do Brasil, era o Maradona.”

    O que foi que o cara te fez, seu prego? Inaceitável classificar o grande Allejo dessa forma, você devia se envergonhar!

  2. RodOgrO disse:

    HAHAHAHAAHAHAHAHA

    Teria nascido joystick foi ótema!!! Eu lembro do Janco Tianno, PQP!!!!

  3. disse:

    Tito Mancuso, Peter Mueller, Janco Tianno e Rico Salamar.
    Quadrado mágico!

  4. Eric disse:

    Julio Maravilha, atacante do Vila Nova (Cachoeirinha) contabiliza até as partidas de futebol do Atari que ele ganhou de Eric, seu amigo imaginário, com o qual ele deixava o controle 2.

  5. Luciano disse:

    Tudo bem que o Alejjo era melhor que o Pelé, mas tinha um centro-avante da Colômbia que fazia mais gol que o Túlio na série C.
    Ahhh e também tinha um desgraçado do Irã, o camisa 9, naquele 3-6-1 FDP deles.
    Nunca ganhei do Irã :(

    Não lembro os nomes…

  6. Marcia disse:

    Putz, eu lembro desse jogo que a bola ficava gigante quando subia (era do Master?).
    E já falei, quero ver um contra de Corinthians e o meu Palmeiras, com o marcphx (pq eu não sei jogar futebol) =P

  7. Nayara disse:

    Barcelona? Meh!

    Quero ver ganhar jogando com o Lazio ahuhuahua. Dá-lhe Di Canio!

  8. e ainda tinha o maior jogo dos arcades: “Super Sidekicks 3: A PRÓXIMA GLÓRIA!”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: