Meu primeiro jornal enrolou um mendigo

É quase certo que um texto “sério” nunca baixou por estas bandas. Mas como recordar é morrer de vergonha, achei duas matérias minhas que foram publicadas em um caderno especial do jornal da faculdade, o Expressão – nome ridículo é mato – sobre os 60 anos da Segunda Guerra Mundial. Se a memória não erra, a sugestão do tema foi minha. Na época eu era fissurado pela Guerrona e pelos comunas. Mas não era muito fissurado pelo estudo vez que, dos entrevistados, só o Junior existe. Os outros são fontes imaginárias da minha mente nada brilhante. Aviso de antemão que o texto é uma droga pois, se escrevo mal hoje, imagina nos tempos de estudante de jornalismo afimzão de mudar o mundo wannabe?

Stalingrado ou Normandia

Júlio César Soares

Durante as comemorações dos 60 anos do fim da Segunda Guerra Mundial, o presidente russo Vladimir Putin declarou que o mundo foi liberto a ameaça nazista graças ao levante soviético contra a Wermacht, o exército alemão. Putin, de certa forma, trouxe à tona um dos debates mais conturbados sobre a Guerra: afinal de contas, sem os soviéticos o mundo sucumbiria ao Terceiro Reich?

Para o historiador Márcio Alvarenga, as declarações do presidente russo têm “certa razão, principalmente se levarmos em conta a resistência soviética em Stalingrado e o contra-ataque em Kursk. Sem o poderio do Exército Vermelho para atacar a frente Leste da Wermacht, dificilmente os Aliados que atacavam a Oeste resistiriam a blitzkrieg (ataque maciço e coordenado contra alvos definidos) das unidades nazistas”.

O debate sobre o vencedor da guerra entre os Países Aliados sempre é suscitado por pontos diferentes. Para alguns historiadores, a vitória do exército aliado só aconteceu graças ao empenho dos soviéticos, que depois da batalha de Kursk atravessaram a Europa e, em menos de um ano, fizeram praça nas ruas de Berlim.

Já para outros, o empenho norte-americano na frente Oeste – apoiado pela Inglaterra, França, Canadá, Brasil, entre outros – contra os ataques eficientes da Wermacht, foi fundamental para o desvio das tropas nazistas do Leste para o Oeste da Europa, ajudando os soviéticos. “Os Aliados que invadiram o Oeste da Europa, em especial os norte-americanos, anularam as provisões nazistas. Um Tiger (tanque nazista) por mais resistente e aterrorizante, não funciona sem gasolina. Neste ponto os americanos foram eficientes, sem contar as resoluções econômicas que ampliaram a influência norte-americana sobre a Europa no Pós-Guerra”, diz o especialista em Segunda Guerra
Mundial, Álvaro Martins.

Posterior à guerra, o conflito entre soviéticos e norte-americanos durante à Guerra Fria aumentou as especulações sobre quem foi fundamental para a queda de Hitler. A definição do especialista em Segunda Guerra, José Costa Júnior, talvez seja a mais livre de propaganda de ambas as partes. Para Júnior, “ao aliados venceram a Guerra. Americanos, ingleses, soviéticos e as outras nações que combateram o nazismo”.

Berlim é vermelha

Foram 2.195 dias de guerra. Mais de 50 milhões de mortos (cerca de 20 milhões de soviéticos e quase 6 milhões de judeus assassinados nos campos de extermínio nazistas). Entre 100 e 110 milhões de pessoas envolvidas em batalhas, provenientes de 61 nações. Batalhas que se estenderam
por mais de 11 milhões de quilômetros quadrados.

Quando a Segunda Guerra Mundial chegou ao fim, a população mundial não tinha sequer noção desses números. Apenas chorava por ter presenciado as maiores atrocidades até então já vistas.
Hoje, 60 anos depois, o mundo ainda se assusta e se indigna com o que aconteceu de 1939 até 1945.

“Os números poderiam ser ainda mais assustadores se o Reich tivesse durado todo o tempo prometido pelos alemães: mil anos”, conta o historiador Paulo Pereira. Foram apenas 12. “A derrocada do nazismo de Adolf Hitler começou com as batalhas de Stalingrado, Kursk e da Normandia (Dia D). Em Stalingrado, o exército alemão viu que poderia ser derrotado”, explica o historiador.

Cerca de 185 mil aliados invadiram as praias francesas. No dia 6 de junho de 1944, o Dia D, 75.515 soldados britânicos e canadenses e 57.500 americanos desembarcaram pela costa da Normandia. Outros 7.900 e 15.500, respectivamente, foram pelo ar. Hitler deslocou as tropas que controlavam a área de Kursk, na União Soviética, e mandou seus tanques cobrirem a invasão americana na Sicília, a oeste. Com isso, deixou que os comunistas batessem a porta do Führerbunker, abrigo de Hitler em Berlim. “Daí para o fim foi um questão de meses”, diz Pereira.

Ao perceber a aproximação das tropas soviéticas, em 30 abril de 1945, Hitler preferiu a morte. Seus restos jamais foram encontrados e há quem diga que ele tenha dado ordem a um cabo para que o matasse com um tiro e enrolasse seu corpo em pneus, incinerando-o e tornando qualquer identificação impossível. O suicídio ainda é a versão mais provável.

No mesmo dia, o exército vermelho chegou a Berlim e os homens do marechal Georgi Zhukov invadiram a sede do Reich. “Quando a bandeira com a foice e o martelo já tremulava no topo do Reichstag (Parlamento Alemão), os nazistas, sem Hitler, se renderam. No dia sete de maio, o general Alfred Jodl assinou a rendição”, conta o historiador.

Depois do fim da participação alemã na Guerra, faltava a desistência do Japão, último do eixo. A Itália já havia se rendido em 1943. Com o lançamento da bomba atômica pelos norte-americanos, o imperador do Japão foi obrigado a assinar o ponto final da guerra e declarou na época: “O inimigo começou a lançar uma nova e aterrorizante bomba, capaz de matar muitas pessoas inocentes e cujo poder de destruição é inestimável. Se continuássemos a lutar, isto significaria não apenas o fim da
nação japonesa, mas também levaria ao extermínio completo da civilização humana.” Hirohito, o imperador, não exagerou. Os bombardeios castigaram suas cinco principais cidades – Tóquio,
Osaka, Nagoya, Kobe e Yokohama – e destruiu Hiroshima e Nagasaki.

Anúncios

3 pensamentos sobre “Meu primeiro jornal enrolou um mendigo

  1. Tonkiel disse:

    Cara, essa dúvida vai perdurar pelo resto dos tempos. Fico com a afirmação do amigo de que os aliados venceram. Claro que o avanço soviético foi importante, como também foi importante o desembarque na Normandia.
    Porém a única coisa que podemos afirmar com certeza foi que as maiores baixas foram pelo lado soviético, até porque a população era muito maior e o país estava bem no eixo do conflito.
    Gostei muito do texto.

    Abs

  2. Sol disse:

    Nem foi tão ruim assim. Na verdade eu achei ótimo, e convenhamos, diantes do que se lê em jornalecos da vida e textos televisivos, você é um gênio!

  3. Shepones disse:

    Curti a matéria. Ontem na redação cornetei a Yoani Sanchez e o povo me esculhambou. Dada minha altíssima sofisticação argumentativa, respondi: “não fosse Stálin, hoje você falaria alemão”. Um brinde pros guerreiros vermelhos; zé fascistinha eu lamento.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: